Mote

Pus entre as mãos do meu bem
Alma, vida e coração

Glosa

Fingindo meigo desdém,
Estando muito arreitado,
O meu caralho entesado
Pus entre as mãos do meu bem;
De mil carícias além,
Na cabeça pôs-lhe a mão,
Com tão doce sensação,
Que, apertando a minha bela
Lancei numa esporradela
Alma, vida e coração.

Laurindo Rabelo

Publicado na Semana Especial de Poesia Erótica

Published in: on 06/07/2009 at 21:56  Comments (1)