Aos seus olhinhos tão queridos,
Compus esplêndida quadrinha;
À sua boquinha tão querida,
Compus magnífica trovinha;
À sua carinha tão querida,
Compus notável cançãozinha.
Assim que tiver um coração, prometo
Compor, inteirinho, um bonito soneto.

Heinrich Heine
(tradução de Décio Pignatari)

Published in: on 15/05/2009 at 21:05  Deixe um comentário  

Um poema de Heine

Vem,  linda peixeirinha,
Trégua aos anzóis e aos remos.
Senta-te aqui comigo,
Mãos dadas conversemos.

Inclina a cabecinha
E não temas assim:
Não te fias do oceano?
Pois fia-te de mim.

Minh’alma, como o oceano,
Tem tufões, correntezas,
E muitas lindas pérolas
Jazem nas profundezas.

Heinrich Heine
(tradução de Manuel Bandeira)

Published in: on 24/03/2009 at 7:24  Deixe um comentário