O guardador de rebanhos – IX

Sou um guardador de rebanhos
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.
Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.

Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto.
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz.

Alberto Caeiro

Nota: Este poema também não foi escolhido por mim, mas pelo meu amigo Eduardo, que sabe com quantos propósitos malignos se escolhe um poema. Estou começando a gostar da idéia de ter colaboradores.
Published in: on 06/05/2009 at 13:45  Deixe um comentário