Pavilhão

Muros altos de teu corpo.
Não havia entrada em teu horto.

(Que onda de asas ascendia!
Oh o que ali se passaria!)

Céu claro ou turvo, que importa?
Não havia entrada em tua glória.

(Que arona às vezes subia!
Oh em teus vergéis que haveria?)

Tornaste a ficar fechada.
Não haveria em tua alma entrada!

Juan Ramón Jiménez

Anúncios
Published in: on 15/09/2009 at 16:11  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://poemadodia.wordpress.com/2009/09/15/pavilhao/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s