Soneto XVII

Dizem que o rei cruel de Averno imundo
Tem entre as pernas caralhaz lanceta,
Para meter do cu na aberta greta
A quem não foder bem cá nesse mundo:

Tremei, humanos, deste mal profundo,
Deixai essas lições, sabida peta,
Foda-se a salvo, coma-se a punheta;
Este o prazer da vida mais jucundo.

Se pois guardar devemos castidade,
Para que nos deu Deus porras leiteiras,
Senão para foder com liberdade?

Fodam-se, pois, casadas e solteiras,
E seja isto já; que é curta a idade,
E as horas do prazer voam ligeiras.

Bocage

Publicado na Semana Especial de Poesia Erótica

Anúncios
Published in: on 04/07/2009 at 22:39  Comments (3)  

The URI to TrackBack this entry is: https://poemadodia.wordpress.com/2009/07/04/soneto-xvii/trackback/

RSS feed for comments on this post.

3 ComentáriosDeixe um comentário

  1. volto daqui uma semana então.

  2. Fique à vontade!

  3. Muito, muito bom. Bocage é mestre.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s